quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Caminho até as ovelhas! Parte 1.

Hehe, o título é piada interna...
Quinta-feira, 10 de novembro.
14 horas e eu abria as porteiras para receber mais um vez aqui no rancho audioFARM o César Cogo. Missão? Iniciar a captação das trilhas de bateria do já aguardado álbum debut da banda Skabout. E ao contrário do que havíamos feito no EP anterior, e como costumo fazer normalmente, dessa vez a coisa seria mais direta. Obviamente pusemos o papo em dia, renovamos as piadas e logo seguimos ao trabalho. Dei uma breve revisada nas trilhas, ouvi as pré-produções e em mãos das anotações demos início as atividades. Como disse, dessa vez a coisa seria muito mais direta e orgânica, completamente diferente do EP anterior, aquele que concorreu ao Prêmio Açorianos de Música em 2010. Poucas mudanças eram previstas para o kit, somente a caixa e o china. Iniciamos com a caixa Adah Classic Art do Foca, vulgo André Zinelli, afinada alta e com uma pele porosa porém muito mais fina que o convencional. Os tambores também receberam peles porosas mono-filme com bastante damping. O bumbo foi microfonado interna e externamente e foi fechado com pele sem respiro, mono-filme porosa e com um damping interno médio. O set de pratos foi basicamente mais voltado para uma sonoridade dark, com crashes Sabian HH Dark, hi-hat Zildjan K Dark, ride Zildjan Avedis Ping, splashes Zildjan A e inicialmente um china de 16' também Zildjan A. A sala foi a Maragato. Queríamos um reverb natural, muito som de sala e essa, muito aberta, brilhante, densa e expansiva. Como a idéia é utilizar pouco os close-mics e focar muito mais na sonoridade dos room mics, criamos um inner chamber mais focado com poucas reflexão e um outer chamber mais brilhante com bastante reflexão utilizando os rebatedores. Levou um tempinho até acertarmos o posicionamento mas logo o kit soava como eu queria. Para o transporte fiz da seguinte forma. Dentro do bumbo posicionei o Shure Beta 91 e enviei o sinal à Digidesign/Focusrite Control 24, externamente posicionei o AKG D112 e enviei o sinal ao Universal Audio LA610. A caixa utilizou o meu Shure SM57 sem transformador unido ao meu chapéu anti-hi-hat-dos-infernos e enviou o sinal ao Neve Amek Purepath CIB. A esteira foi microfonada com um outro Shure SM57 e o sinal enviado ao Avalon VT737sp. Nos tambores foram os Sennheiser MD421II enviando o sinal também à Control 24. Como overheads usei um par de Shure KSM109 em X/Y com as cápsulas atenuadas enviando os sinais ao Focusrite ISA428 e então ao Manley Massive Passive. Como room mics usei um par de Shure KSM44 enviando o sinal ao Universal Audio 1176. Depois de acertar o som e a mixagem de fones do César, dai foi tranquilo. O César gravou uns 3 takes para cada tema e lá pelo início da noite encerrávamos a sessão com a missão cumprida. No outro dia continuaríamos os restantes 50% das trilhas.

E foi isso. Forte abraço!
Life's too short for bad tones!








0 comentários: