sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Homens de Guerra. Parte 3.

Sexta-feira dia 14 de outubro.
Hora de continuar a maratona Homens de Guerra da banda Mandala. E sabíamos que iríamos até tarde. Beeem tarde. Abri as porteiras do rancho eram 20 horas da noite para receber aquele que tem uma piada engatilhada pra te enrabar ao menor descuido, o Everton Acosta, além do Rodrigo Perfex, do Matheus Giuseppe e do Kiko Prata. Missão? Guitarras. "Ué Mateus. Voltou a gravar guitarras após os baixos?" Na verdade não. Esta vez foi apenas logística. O tio Everton trouxe seu cabeçote Laney GH100, que me surpreendeu em muitos aspectos. Foi legal trabalhar com um amplificador diferente que o de costume. Utilizei a Orange 4x12" que estava sendo testada pós reparos do amigo Eduardo Vandré e seus falantes Celestion Vintage 30. Essa caixa me deu alguma dor de cabeça... Mas isto é outra história hehe. Era muuuito material e trilhas bastante complexas e dado o alto nível técnico, a coisa levaria um bocado. A parte do som foi simples. Após acertar a sala e a ambiência decidi por posicionar os guris dentro da sala, primeiramente pelo alto nível de ganho e a relação sinal/ruído, segundo pela organicidade e realismo da coisa e terceiro pela interação guitarra/caixa e a relação sustain/realimentação. O sinal foi captado com o Cascade Gomez e o Shure SM57 sem transformador. O sinal foi enviado ao audioFARM Electronics A312 e ao Universal Audio LA610 respectivamente, com ambos passando ainda pelo Manley Massive Passive e então pelo Universal Audio 1176. Depois foi só trabalhar... Na função registramos todo o material para a faixa e ficamos gravando até lá pelas 6:30 da matina, quando me despedi do pessoal com a missão cumprida e bastante cansado.

Forte abraço!
Life's too short for bad tones!









0 comentários: