segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Aquele som!

Então povo,
chegou meis um daqueles posts que eu queria falar. Tudo começou quando o Ray Z me ligou e disse que íamos produzir uma banda chamada Presidente Nero. Juro que tentei traduzir o nome em som mas falhei miseravelmente pois não conseguia associar nada com nada. Como o bicho pegava enlouquecidamente pro meu lado o Ray Z assumiu a bronca e realizou toda a primeira parte da produção sem minha interferência, mas, "chegou a hora", disse o Ray. Eu já estava curioso com as coisas que o Ray havia me contado. Então. Outubro, dia 3, e eu abria as porteiras pra receber a trupe da Presidente Nero + o Ray. Missão? Fazer as duas guias e captar bateria para os 2 sons do povo. Conversando com o Ray, ouvindo um pouco do som e a coisa ficou óbvia! Neil Peart! Um sorriso se instalou no meio da minha cara e daí a coisa ficou fácil. Eu explico. Sou fã inveterado do Neil Peart. Quando montei o estúdio e comecei a comprar equipamentos, antes mesmo de sequer saber apertar um botão direito, eu já era fã do cara, herança do meu professor Mauro Tarakdian. Conforme eu ia pesquisando e aprendendo, ia comprando tudo que o safado havia usado, em busca de uma lembrança do que é o "som do 'The Professor'". Obviamente fui com a sala Maragato e dessa forma, já conhecendo meu kit fui direto refazendo os passos para empurrar a produção para o lado daquele som, tirei o rack de ferragens fora e montei o tambor de saída no próprio bumbo, isso ajudou a "secar" um pouco mais o tambor e focar melhor o ataque. Selecionei as peles e afinei os tambores da forma que eu sabia que funcionaria melhor para recriar aquele som, troquei o surdo por um maior e mais profundo, que além disso, não era suspenso, e sim furado e com pezinhos, retirei a pele de resposta do bumbo, peguei a Ludwig Supraphonic, acertei o damping e bóra! Bumbo: AKG D112 enviando ao Universal Audio LA610. Caixa: Shure SM57 sem transformador enviando ao Neve AMEK Purepath CIB. Bottom: Shure SM57 enviando ao Avalon VT737sp. Tambores: Sennheiser MD421II enviando ao Focusrite ISA428. Overheads: Shure KSM109 em X/Y enviando à Digidesign/Focusrite Control 24 e então ao Manley Massive Passive. Room mics: Shure KSM44 enviando ao Focusrite ISA428, enviando ao Universal Audio 1176. Depois disso foi algum tempinho acertando a microfonação, apertando botão e girando knob até chegar "naquele" som. E pela reação do povo, todos concordavam comigo, era aquele ali o som! O resto seria moleza. Antes disso o Bóris de Assis junto do Maurício Lobo registraram as guias e então era hora do Douglas Da Vinci sentar a mão! E sentar bonito! O guri toca muito tchê! Eu? Estava feliz e aparentemente, o resto do povo todo também! Deixem-me dizer que os guris são gente boníssima, da mais alta qualidade de seres humanos, como a maioria que tenho a oportunidade de receber por estas bandas de cá. Desde já agradeço a confiança e a oportunidade!

Foi isso, forte abraço!
Life's too short for bad tones!









2 comentários:

Crônicas de um Canalha disse...

O DOug toca de mais, meu amigo de longa data.

Mateus Borges disse...

Toca muito mesmo! Virei fã do guri! =)