segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Suco Elétrico!

Sabadão e domingo... Esses sim seriam dias longos mas longe de desinteressantes... Este foi o fim de semana no qual receberíamos o pessoal da banda Suco Elétrico acompanhados do Marcelo Fruet, encarregado da produção musical do material. Lá pelas 14 horas eu e o Sasandro, que estava aqui desde cedo, abriamos as porteiras do rancho para receber toda a trupe, o Marcelo, o Alexandre Rauen, a Dani Rauen, o K.C.O. Lino e o Drunk Rodrigues. Logo que aportaram por aqui fomos direto para a montagem do setup pois sabíamos que levaria algum tempo. Enquanto o Alexandre, vulgo Alemão, montava o kit Tama Rockstar na sala Maragato, o Fruet e o Sandro preparavam as sessões, eu instalava o pessoal na pousada. Dentre muitas coisas legais que ocorreram, uma delas é o fato que o Fruet trouxe alguns brinquedos juntos com ele, e a lista incluia um Universal Audio 6176, que é o pré-amplificador M610 seguido de um 1176, um pré-amplificador stereo DBX 386, muito bacana, um Shure SM81, um Sennheiser MD441, um Electro-Voice RE20 e um DIY Speaker-Mic, um adendo neste último que é muito interessante, é que na real este brinquedinho nada mais é que um auto-falante funcionando como um microfone. Kit montado, sessões importadas e pessoal instalado. Como ficou? Bem, após um bate-papo rápido, fiz o transporte da seguinte forma: Bumbo, AKG D112 enviando ao Universal Audio 6176, DIY Speaker-Mic enviando à um dos canais da Digidesign/Focusrite Control 24. Caixa, Shure SM57 (padrão) enviando ao Universal Audio LA610. Esteira, Shure SM57 enviando à Digidesign/Focusrite Control 24. Tambores, Sennheiser MD421II enviando ao Focusrite ISA428. Hi-hat, Shure SM81 (cápsula atenuada) enviando ao Focusrite ISA428 e em seguida ao DBX 160A. Overheads, Shure KSM109 (cápsula atenuada) enviando aos DBX 386. Room mics, Shure KSM44 enviando à Digidesign/Focusrite Control 24 e em seguida aos Universal Audio 1176. Ajustes aqui e acolá... Damping aplicado... E-Mads aplicados, tira uma frequência daqui, outra acolá e voilá! \o/ Tava pronto o som do kit! E ficou gigante. Hora de acertar o som do resto do pessoal. Bem, a idéia era que a banda funcionasse como uma guia porém ao-vivo e gravando, não como foco principal, mas quase isso hehe. Então, para a guitarra, Fender Blues Deville enviando à caixa 2x12" Serrano Amps dentro da sala Chimango. Para o transporte, optei pelo microfone ribbon Cascade Gomez e enviei o sinal ao nosso novo xodó, o audioFARM Electronics A312. Estávamos bem de guitarra também, o K.C.O. trouxe uma Fender Stratocaster e uma Gibson Studio, além de outros brinquedinhos de pisar hehe. Para o baixo, após alguns testes, preferimos plugar o Gretsch do Drunk diretamente no Avalon VT737sp. E daí sim, depois disso foi fácil, a banda estava mega afinada e o Alemão matou a pau quase dando inveja a um relógio!
Bem, o trabalho durou o fim de semana inteiro, dias nos quais eu e o Sandro alternávamos sessões, no sábado comemos um mini-churrasco, demos boas risadas e enfim... Espero que todos tenham curtido a empreitada como nós curtimos, e saibam desde já que as porteiras do rancho estarão sempre abertas!

E foi isso. Um forte abraço!
Bring me sound and I'll make you music!






























Leia Mais…

Uns centavinhos a mais vai, vai não?

E na sexta? Rolou alguma coisa?
Mas é claro! Voltei a abrir as porteiras do rancho para receber novamente o pessoal da banda Teto e Muro, dessa vez representados por Guilherme Borsa, pelo Foguinho, vulgo Vinícius Guazzelli, e pelo Luciano Schneider. Missão? Dar início as captações de baixo para o disco. A tarefa seria simples, como havíamos realizado uma pré-texturização da coisa toda, armado de meus recall sheets e planilhas, fomos direto ao ponto recriando os timbres que havíamos planejado. O Guilherme trouxe consigo seus dois filhotes, um D.C.C custom lindo e assustadoramente silencioso, seu Ibañez 5-cordas e um Cort Curbow gentilmente emprestado. Utilizamos o Line6 Bass Pod XT Live como plataforma para gerar o sinal que enviávamos aos pré-amplificadores e ao Serrano Amps Classman 25 EL34 Custom Head (em bass mode). O Classman configurado com o combo ECC803/ECC802/6L6GC, loop de negativação ativado e hi-pass em off, enviando à caixa 4x12" Marshall JCM900A ao centro da sala Maragato. Quais pré-amplificadores utilizávamos como "DI" e quais utilizávamos recebendo os sinais dos microfones Cascade Gomez e Manley Reference Cardioid variavam de tema para tema de forma que não terei como lembrar aqui detalhes, mas adianto que utilizamos tanto o Universal Audio LA610, quanto o Neve Amek Purepath CIB, quanto o Avalon VT737sp, quanto o Focusrite ISA428. Em alguns casos insertávamos outros periféricos no caminho, horas o Universal Audio 1176, horas o rack de efeitos T.C. Electronics M-One, horas o DBX 160A... Entre efeitos e delírios hehe, foi muito divertido e interessante descobrir que os cents dos afinadores tem uma utilidade!!! Sim... Sem mentira nenhuma, o Guilherme é dono de uma pegada avassaladora, um dos baixistas com pegada mais destruidora que já gravei, de forma que quando seus baixos estão afinados como para pessoas normais, eles sempre soam acima da afinação... De forma que afinamos seus instrumentos todos uns 10 cents abaixo e tomávamos cuidado com notas longas e sustentadas e daí sim... Lindo! Gente, eu preciso confessar e avisar de antemão, o trabalho está ficando uma patada sem igual e que é difícil comparar! Sugiro MESMO que fiquem de olho pois o trabalho vai surpreender muitos queixos, e como diz meu amigo André Serrano, "vai ser de cair o cú da bunda!" hehe.

Um forte abraço!
Life's too short for bad tones!







Leia Mais…

Uma largada divina!

Hehe,
não achei título melhor... Então, foi dada mais uma largada! Agora é a vez da banda de... Como eu poderia classificar? É um rock pesadão e gospel... Bem, é a vez da banda Emanuel iniciar a pré-produção de seu primeiro tema que carregará minha assinatura frente à produção musical. O pessoal iniciou a longa jornada nesta quinta-feira passada com o tema Guerra Sem Fim que aliás, ficou com uma estrutura muito legal recheado de boas idéias. Como sempre, a esta altura do campeonato não tenho muito que revelar, exceto dizer para ficarem de ouvidos abertos... Shure KSM44 ao centro da sala ouvindo tudo e enviando ao Avalon VT737sp... E foi isso!

Um forte abraço!
Bring me sound and I'll make you music!





Leia Mais…

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Diferente vozes... Diferentes comps.

Mazaaaaaaaaah!
Se babem! Vou conseguir por em dia os posts!! Ok que são quase 4 da matina, mas consegui! \o/
Que fizemos hoje? Pela manhã dormi me recuperando da gripe, mas não antes de deixar a sala Maragato pré-montada para a empreitada de hoje... Gravar as vozes de Fabrício Beck para o 4º disco da Vera Loca. E pelo meio da tarde abriam-se as porteiras do rancho para receber o Fabrício, o Ray Z e o Hérnan Gonzalez. Após aquele rápido bate-bola expliquei ao Ray e ao Fabrício meu desejo e os porquês de querer captar voz e ambiência juntos ao invés de fechar a sala e captar uma voz "morta". Com a idéia aprovada e todos de acordo parti para o transporte. Posicionei o Manley Reference Cardioid com o pop-filter da CAD feito de pano... Inicialmente mandei o sinal ao Avalon VT737sp e então ao Universal Audio 1176. Não funcionou muito bem e passei o sinal ao Neve Amek Purepath CIB, fiz alguns pequenos ajustes de equalização e a daí a coisa começou a pintar. Ajustei os 2 estágios de compressão, mas dessa vez o raciocínio foi diferente... Lá pelas tantas passamos a utilizar o pop-filter de metal Stedman ProScreen XL e logo em seguida o removemos por completo, isso trouxe vantagens, o brilho e o ar realmente pintaram porém, com os transiêntes agora completos e inobstruídos passei a ter mais picos e mais intensos, de forma que os compressores opto não funcionariam para a tarefa, assim, no 1º estágio, ainda no Amek, programei o compressor para que atuasse, digamos assim, não na cabeça do transiênte, mas no pescoço e com um release também não tããão rápido... Este estágio agindo de leve, entre 4-6 dBs quando atuando. No 2º estágio, o rapidissíssimo 1176, em configurações extremas, attack e release ultra-rápidos, e sacando fora entre 3-9 dBs. Depois que as válvulas se estabilizaram e o Fabrício ficou confortável com a mixagem dos fones de ouvido, a coisa realmente brilhou e matamos a pau! Tava lá um tijolásso de voz! O plano eram 3 sons... Fizemos 7!! =)
Quase esqueço, utilizei uma segunda cápsula para a tarefa, o Rode K2, o sinal deste enviei ao Universal Audio LA610 e dei bastante ênfase aos médios, em especial aos médio-graves e procurei uma boa dose de saturação, dureza e maldade mesmo, para que captássemos uma característica diferente da voz do Fabrício que nos será útil mais à frente no projeto! ;)
O Fabrício cantou pra cajado de forma que depois de acertar as coisas foi quase monótona a tarefa de gravar hehe. Exceto pela boa companhia obviamente.

Um forte abraço!
Bring me sound and I'll make you music!





Leia Mais…

Solando com a Vera Loca.

Segunda-feira?
Bem, vocês já sabem, dia de receber o Ray Z e o pessoal da Vera Loca. Missão? Finalizar as captações de guitarra, neste caso, os solos do seu Hérnan Gonzalez. E como de praxe, tudo foi muito tranquilo, exceto que me atrasei para o trampo... "Mas como tu conseguiu fazer isso morando no próprio rancho?" É que fui atacado de foice por uma gripe daquelas que se gruda no cara com tamanha dedicação que daria inveja ao amor que o calor tem pelo fogo! Tanto que tive que ir ao hospital para me livrar da febre e poder encarar a empreitada, mas nada que uma gostosa injeção de Tylenol não resolvesse! Renovado, chego ao estúdio e saímos metendo ficha. Sala Maragato. 4x12" Marshall JCM900A ao centro, porém, dessa vez eu queria mais foco, principalmente do Cascade Gomez, de modo que optei por uma ambiência mais controlada e fechei metade da sala. Peguei 5 cápsulas... "5?!" Sim, 5. Megalomania? Talvez, mas nunca me arrependi de tanto e jamais ouvi alguém reclamar da falta de algo que sobra. Rá! Dia do audioFARM Electronics A312 brilhar novamente. Eu já havia comentado por alto com o Ray sobre a idéia... E quando cheguei ao estúdio ele prontamente apontou a caixinha e indagou "É o brinquedo novo?". Respondi positivamente. O pessoal já havia lido o post pela manhã e já estavam curiosos hehe, o Hérnan já soltou a boa "pô... e agora que já gravamos tudo?" hehe. Bem nesse clima ainda eufórico foi que mandei de novo o sinal do Gomez para o A312 e em seguida ao Universal Audio 1176, mas não antes de dizer "escutem isso...". Sabem aquele beiço que as pessoas fazem para expressar "credo"? É, foi esse. Pela terceira rodada consecutiva ele provou sua monstruosidade. Chegou o Mumu e também passou a mão no bichinho perguntando "quê isso feio aqui?"... Contamos a história... De volta aos demais microfones. Shure SM57 (padrão) enviando ao Universal Audio LA610, Sennheiser MD421II enviando ao Avalon VT737sp, Shure KSM109 enviando ao Neve Amek Purepath CIB e por último o Manley Reference Cardioid enviando à um dos pré-amplificadores da Digidesign/Focusrite Control 24 e em seguida ao DBX 160A, este, captando distante e funcionando com um room mic. Para achar a posição adequada precisei da ajuda do Ray que emprestou os ouvidos para sinalizar o "É aí!" enquanto eu dançava com o microfone dentro da sala. Depois que acertamos os microfones o resto foi fácil e mais uma vez o Serrano Amps Classman 25 EL34 Custom Head foi a estrela do dia, seguido do Mesa Boogie Dual Rectifier Road King. Na mesma sessão ainda chegamos a utilizar o Marshall JCM800 e o Nando Pontin AC15. E de efeitos? Iiii, usamos umas infinidade de coisas como as fotinhos vão mostrar hehe. De resto foi fácil. O Hérnan sentou a palheta e matou a pau! E permitam-me o comentário, essa guitarra Brian May é maravilhosa! Cumprida a missão, que venha o seu Fabrício berrar para nós! =)

Forte abraço!
Life's too short for bad tones!











Leia Mais…