terça-feira, 9 de novembro de 2010

Guitarreando... Cramunhão feliz... E Mandala na Twitcam!

Vai vai vai vai vai vai vai...
É nesse ritmo que seguimos hehe. E antes que a ferrugem comece a corroer as memórias, simbora postar. Foi na sexta-feira... Mas antes, na quinta-feira ainda, após despedir-me dos guris, se atracamos a desmontar e preparar ambas as salas para a próxima sessão, sobre à qual vos escrevo nesse post. Missão? Guitarras e vozes. Para as guitarras, fiquei com a sala Chimango e com o posicionamento e cápsulas que havia preparado para a captação dos baixos, fazendo alguns ajustes apenas no posicionamento do Sennheiser MD421II, que enviava seu sinal ao Neve Amek Purepath CIB. Mantive o Cascade Gomez enviando ao Universal Audio LA610 e adicionei mais 2 microfones, o Shure SM57 (transformerless) enviando ao Avalon VT737sp e um Shure KSM44 como room mic enviando ao Focusrite ISA428 com um Universal Audio 1176 no insert do pré-amplificador. Na outra sala, a sala Maragato, eu havia deixado preparado o setup para a captação de voz do Kiko Prata. Ali, após montar e ajustar a ambiência da sala como eu queria, preparei 3 cápsulas. O Manley Reference Cardioid, pronto para enviar ao Neve Amek Purepath CIB, o Neumann U87ai, preparado para enviar ao Avalon VT737sp, e o Rode K2 como room mic preparado para enviar ao Universal Audio LA610. Agora sim, de volta à sexta-feira. 15:30 e eu abria as porteiras para voltar a receber a banda Mandala, representada pelo Kiko, pelo Nando Áres e pelo Everton Acosta. Mais tarde o Max Perera apareceria para completar o time. Enquanto os guris faziam um divertido Twitcam transmitindo ao-vivo, iniciamos os trabalhos. Fomos com os 3 amplificadores para dentro da sala Chimango, o Mesa Boogie Dual Rectifier Road King, o Orange Tiny Terror e o Serrano Amps Classman 25 EL34 Custom Head. Após acertarmos a sonoridade de todos, voltamos à sala Farrapos e iniciamos os trabalhos, escolhendo a sonoridade adequada à cada trilha fomos matando o material. Horas o Tio Everton gravava, oras o Nando. Horas utilizávamos uma Gibson Les Paul Custom, horas uma Schecter Omen. Para algumas trilhas e camadas ainda fizemos uso do T.C. Electronics M-One gerando basicamente alguns delays e outros efeitos. Era muito material... Muito mesmo, de forma que, quando nos dêmos por conta, não conseguiríamos estar com os ouvidos em boa forma para captar as vozes, de forma que ao terminarmos as guitarras demos por encerrada a sessão... Que segue nessa próxima quinta-feira.

P.S. 1: Não posso deixar esse post terminar antes de dizer... Queríamos algo "mais pesado", mais sóbrio, mais "dark"... hehe... Bem, ficou tão pesado que, como diria meu amigo Denis Blackstone, teria feito o cramunhão bater palmas! Simplesmente lindo e de fazer qualquer metaleiro que se preste deixar o queixo cair!

P.S. 2: Ainda aproveito o post para lembrar os amigos que é segunda-feira, e logo, tem edição nova do podcast da audioFARM Productions lá no outro blog. Clica aqui! Dessa vez recebemos o Felipe Grahl da banda Skabout. Confiram!

Forte abraço!
Bring me sound and I'll make you music!





























0 comentários: