domingo, 6 de junho de 2010

Canta passarinho parte 2.

Sabadão, sabadão.
14 horas e eu abria as porteiras do rancho pro Lucas Restori. Hora de continuar a captação das vozes. Da última sessão para esta pouco havia mudado... Mas de boring esta sessão não teria nada... Como disse, a sessão começou como a última, os temas meio que se dividiam entre os pré-amplificadores Avalon VT737sp e o Neve Amek Purepath CIB, ambos com um segundo estágio de compressão em um par de Universal Audio 1176. Isso se manteve até que em um certo tema nenhum dos dois estavam sentando a voz corretamente na mix e acabei por utilizar o Focusrite ISA428, mandando o sinal deste à entrada de linha do Neve Amek Purepath CIB e em seguida ao Universal Audio 1176. Até que veio um tema que têm uma temática mais rústica e "jazzy". Minha primeira investida foi alterar a ambiência da sala Maragato. Adicionei mais brilho, maior densidade e uma sensação de intimidade mais acentuada ao aumentar as early reflections da ambiência ao alterar os rebatedores. Fizemos um take assim e ficou muito legal... Mas ainda faltava algo. Pensei um pouco, procurei achar o som nas outras configurações de sala. Eu sabia que a resposta para o som que eu procurava estava na ambiência, pois o som de voz propriamente dito que buscávamos já estava lá, porém ele ainda não "misturava" corretamente, não tinha a dimensão necessária e soava desconexa junto dos demais instrumentos. Foi então que tentei algo... Bastante improvável... E o resultado foi chocante! Posicionei o Manley Reference Cardioid em um ponto da sala de recepção do audioFARM, fechamos as janelas e porta, desligamos tudo e qualquer aparelho próximo... Vou tentar descrever a ambiência de forma corriqueira, primeiramente, muito natural, muito densa e complexa, porém, sem soar demasiada ou fora de contexto em momento algum, com um "que" de choir hall ou bright hall. Retiramos o pop-filter Steadman ProScreen XL e voilá! Lá estava nosso som! Impressionante. Cheio, com muito ar, muito orgânica, uma ambiência linda e gigante. Adorei! =)
Daí para diante preferimos continuar na vibe e captar algumas trilhas que possuíam o mesmo clima. Primeiro, fui aproveitar e testar algo que estava curioso e me coçando há tempos para tanto. Cascade Gomez! Aproveitei as dicas do Michael Joly de como usá-lo com segurança para captar voz e montei o set. Para acentuar as melhores características do microfone, não tive dúvidas, fui direto no Universal Audio LA610 e devo dizer, a sonoridade é muito característica e clássica, aquele vintage soft-top remetendo diretamente à Chicago, cheio de personalidade. Gravamos algumas trilhas com ele e logo fomos para a terceira surpresa do dia. Hora do Shure 55S Series II, fazendo mais ou menos a mesma função que o Gomez havia feito, registrando algumas trilhas que deveriam soar mais vintage e rústicas. Para ele também optei pelo Universal Audio LA610 e ficou muito bacana. Após isso, voltamos à nossa configuração "tradicional" de sala e cápsulas e finalizamos a sessão captando mais algumas trilhas. Lá pelas 21 horas dávamos como cumprida a missão do dia. Mais um dia onde tive a oportunidade de aprender coisas novas, descobrir coisas... Isso é viciante e é uma das coisas que mais me deixa feliz!
Era hora de comer um churrasco com a melhor família do mundo, a minha! =)

Forte abraço!
Bring me sound and I'll make you music!

0 comentários: