domingo, 28 de fevereiro de 2010

Carteliando guitarras parte 2.

Continuando post anterior.

...No sabadão propriamente dito, após acordarmos lá pelo meio-dia, o Santto se grudou em preparar uma massaroca bala pra acabar com a fome do povo! Satisfeitos e bem roliços fomos ao estúdio. Hora de realizar o transporte das texturas. Posicionamos todos os amplificadores e efeitos na técnica Farrapos e como já havíamos acertado o posicionamento das caixas na noite anterior, somente retiramos todo material supérfluo da sala Maragato e trouxemos todos os biombos/rebatedores, que seriam alterados praticamente tema-à-tema para criar a ambiência planejada para cada um dos mesmo. Novamente volto a dizer, não pretendo usar nenhum reverb ou ambiência digital no álbum, com pouquíssimas exceções. Bem, aqui entram alguns detalhes bastante interessantes, e para que eu possa explicá-los melhor imaginem que este post será dividido em diversas partes contendo as técnicas e conceitos de cada trecho das captações desta sessão.

Parte 1:
Nesta primeira parte utilizamos basicamente o Serrano Amps Classman 25 EL34 Custom Head, os efeitos Fulltone Fulldrive 2 Mosfet e as guitarras Epiphone Les Paul Signature Slash e SG Custom, ambas devidamente reguladas e com cordas novas. O cabeçote tinha suas válvulas alteradas constantemente mas basicamente trabalhou com dois sets, o primeiro sendo um set com maior capacidade de ganho e mais aberto (ECC803, 12AX7, EL34), e o segundo sendo um set mais limpo, comprimido e fechado (12AY7, 12AU7, 6L6GC). Somente alguns poucos takes específicos foram captados utilizando um terceiro set, onde a seleção foi ECC803, 12AX7 e 6L6GC. Nesta primeira parte utilizamos exclusivamente a caixa Serrano Amps 2x12" Jensen C12N. A microfonação ficou basicamente fixa, Shure SM57, Cascade Gomez e o Manley Reference Cardioid como ambiência. Para alguns temas utilizei também meu Shure SM57 Transformerless. O Manley ficou quase que o tempo todo no Neve Amek Purepath CIB, enquanto o Gomez e os SM57 variavam entre o Universal Audio LA-610 e o Avalon VT737sp. Com a sala montada, utilizando o Manley como ouvido, circulamos dentro da sala até acharmos o ponto doce para a ambiência. Ferro na boneca!















Parte 2:
Basicamente o mesmo setup da parte 1, exceto pelas modificações de posicionamento do nosso microfone de ambiência, o Manley, e pelo uso do cabeçote Classman como pré-amplificador para o Orange Tiny Terror, recriando um timbre mucho loco que eu havia "sem querer" encontrado alguns meses atrás, e que cairia como uma luva para o tema em questão.











Parte 3:
Hora do terror minúsculo! Mesma coisa e mesmas modificações de praxe dos outros setups, ambiência, microfone de ambiência, seleção de microfones e pré-amplificadores, regulagens dos efeitos e cabeçotes. Para este setup adicionei um quarto microfone, o clássico Sennheiser MD421II. O Manley passou a ser endereçado ao Focusrite ISA428 com um Universal Audio 1176 no insert do pré-amplificador, enquanto os demais três microfones eram alterados entre os pré-amplificadores Avalon VT737sp, Universal Audio LA-610 e o Neve Amek Purepath CIB. Passei a utilizar a caixa Marshall JCM900A 4x12" e para alguns takes o Marshall Blues Breaker II.






E era isso! Terminamos essa primeira sessão lá pelas 23 horas com 50% da missão cumprida! Hora de descansar para a domingueira e terminar mais essa etapa. Forte abraço!
Bring me sound and I'll make you music!

Leia Mais…

Carteliando guitarras parte 1.

Continuando o post anterior.

...Logo que o Sasandro chegou, me sentei na estação de edição e voltei a trabalhar nas edições do Cartel da Cevada. Não deu para terminar tudo à tempo, pois ainda tive que trabalhar no planejamento e no input-list da sessão que começaria à noite, mas quase. E como planejado, lá pela meia-noite chegava o "fumaça" pilotado por Igor Assunção e trazendo junto a companhia do Santto e do amigo Wagner, era hora de começar a função para a captação das guitarras para o álbum da banda. Enquanto conversávamos e descarregávamos o material, o Sasandro finalizava o trabalho com o Andy e, logo após finalizar, dava aquele "oi e tchau" hehe. Hora de abandonar a estação de edição e voltar à sala Farrapos. Estávamos absurdamente cansados, quase à ponto da exaustão quando terminamos às 5 da manhã. Até a hora de dormir porém trabalhamos muito. Começamos carregamos todo o material do input-list para dentro da sala Maragato. Logo após, seguindo meu planejamento e as nossas notas de produção, fomos testando e analisando todos os timbres que eu havia planejado para cada tema... Um à um. E um à um fomos acertamos e lapidando todos. Tomamos nota e daí sim, fomos ao berço. A sala ficou um campo de guerra cheia de pedais e válvulas hehe, mas foi um campo de guerra muito divertido e recheado de muito som! No fim das contas a lista ficou assim:

Cabeçotes:
Mesa Boogie Dual Rectifier Road King.
Orange Tiny Terror.
Serrano Amps Classman 25 EL34 Custom Head.

Caixas:
Marshall 4x12" JCM900A.
Serrano Amps 2x12" Jensen C12N.

Efeitos:
Fulltone Fulldrive 2 Mosfet.
Marshall Blues Breaker II.
T.C. Electronics M-One.

Guitarras:
Epiphone Les Paul Signature Slash.
Epiphone SG Custom.
Tagima T735S.

Continua no próximo post...

Forte abraço!
Life is too short for bad tones!







Leia Mais…

Andy e Mauricio gravando vozes.

Bem, essa semana foi tão correria que cheguei a me perder na agenda. Mas nada sério. O que importa é que novamente serei forçado à fazer multi-posts para melhor organização. Então vamos as notícias fotadas.

Sexta-feira,
logo cedo, às 10 da manhã, eu abria a porteira do rancho para o Andy e Maurício, que vinham para continuar a captação das vozes que faltavam para o disco da dupla, além de continuar acertando a mixagem de algumas trilhas. O Mauricio chegou antes e já saímos metendo ficha, a primeira coisa à fazer era finalizar as captações das vozes. Como planejado, preparei uma sala bastante fechada e focada, com pouquíssima incidência da ambiência da sala. Optei pela sala Chimango e fui direto no Manley Reference Cardioid. Dei de mão no pop filter Stedman Pro Screen XL e optei pelo meu combo clássico, enviando o sinal do microfone para o Neve AMEK Purepath CIB. Depois foi fácil. O Mauricio matou a pau e avançávamos rápido. Lá pelo meio-dia chegava o Andy acompanhado do Hugo, amigo da dupla, para realizar algumas locuções para o disco. No meio de um bate-papo bem descontraído e regado à um mate bem gaudério, rapidinho foi resolvida a questão e nem deu tempo de pensar muito e já continuamos o trabalho. Após o Andy retornar, seguimos gravando. Quando foi a vez das vozes do Andy, voltamos à configuração de sala da sessão anterior. Chimango, vocal booth, Manley Reference Cardioid, porém dessa vez enviando o sinal ao Universal Audio LA-610 e logo em seguida ao Universal Audio 1176. Pouco tempo depois, já próximo das 16 horas, chegava o Sasandro, trazendo rango para o povo hehe, para me substituir, continuar captando as vozes e realizar os ajustes finais nas mixagens das faixas... E eles tocaram longe, até aproximadamente à meia-noite... Segue no próximo post...

Forte abraço!
Bring me sound and I'll make you music!







Leia Mais…

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Nova estação de edição!

Mazaaah!
Pois é, esta quarta e quinta-feira foram dias absurdamente corridos aqui pelo rancho. De lá pra cá eu o Sasandro trabalhamos na masterização do primeiro álbum da banda Insano, tarefa que finalizamos hoje. Gravamos e continuamos a mixar o material do Andy e Mauricio mas principalmente, inauguramos nossa estação de edição aqui no audioFARM! =)
Agora o centro de produção audioFARM ganha mais uma plataforma de áudio. Uma estação que funciona independente das outras salas do complexo, podendo operar ao mesmo tempo que a sala Farrapos controla as salas Chimango e Maragato. A estação montada sob plataforma Pro Tools LE 8.0.3cs1 utiliza interface Digidesign M-Box 2 ou Digidesign Digi 002 Mixer. O sistema está instalado em um Apple Mac Book Pro com 4GB RAM e 500GB de HD. A principal função de tal estação é possibilitar a realização simultânea de tarefas de edição, autoração, programação/sequenciamento, captação de pré-produções e, como a estação é móvel, ainda é possível usá-la para captações ao-vivo e/ou "in loco". E ela já chegou trabalhando, pois enquanto o Sasandro mixava, eu editava o material do Cartel da Cevada para amanhã. Esse é mais um investimento do novo audioFARM. E aguardem, isso não é nem o começo! Amanhã ainda temos que gravar vozes do Andy e Mauricio, masterizar, preparar input-list do Cartel, editar, e à noite, gravar, por isso... ZzZz.

Um forte abraço!
Bring me sound and I'll make you music!










Leia Mais…