quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Promessas, lembranças e muito peso! Guitarras Leviaethan

Pois é, terça-feira passada foi um dia muito especial.
Depois de pelo menos 3 anos voltei a receber meu companheiro e amigo Denis Blackstone no audioFARM!
Hehe, se isso não fosse o suficiente, ainda tive a oportunidade de matar a saudade e voltar a rever Mr. Marcel, a.k.a Mr. MarZ. E obviamente, o resultado foi sonzão, mas não antes de muito bate papo. =)

Ok, mas falando então da parte musical da coisa, reunimo-nos (credo, tenho quase certeza que essa palavra não existe) para a captação das guitarras do tão prometido "novo disco" da Leviaethan. Promessas devem serem cumpridas e o projeto que estava em "stand-by" há pelo menos 3 anos me trouxe boas recordações. Enfim, saudosismo à parte, com o plano traçado e objetivo definido, partimos para alguns pequenos testes ambientando e tratando as salas. Ao fim destes, optamos pela sala Maragato e fui então encumbido da tarefa: "Tira teu som aí". Parti então de uma configuração de sala que já me é familiar, porém buscando uma resposta diferente, mais brilhante à pedidos. Acabei por achar o ponto doce ou "sweet spot" em uma altura diferente do constumeiro. Diminuí bastante a densidade da sala pois queríamos um sinal quase "bone dry", com muita definição, foco e punch, e por último, acabei usando o lado mais reflexivo (madeira) dos biombos para trazer um pouco de brilho e "ar" extra. Posicionado o Mesa Boogie Dual Rectifier Roadie King, armado de suas duas guitas, o Denis, o Marcel e eu nos atracamos a timbrar os 4 canais do brinquedo, mas como imaginado o canal 3 e o 4 mataram a pau! Movido de volta à sala Farrapos, hora do transporte. A cadeia de sinal foi um tanto quanto direta porém com uma surpresa legal. O Marcel pediu que eu tirasse meu som como normalmente porém ele queria tratar um sinal extra, o objetivo deste sinal seria trazer muito punch e corpo, e o que ele buscava era não apenas tratar o sinal de um microfone convencionalmente, mas deixar o sinal saturar no pré-amplificador de microfone, com uma dose cavalar de compressão, equalização bem focada e um tanto quanto cirúrgica. A escolha para esse sinal foi também casada. Shure SM57 "na boca" de um dos falantes mandando para o Universal Audio LA-610, a alta dose de compressão valvular aliada a capacidade de saturação do pré em alta impedância casou perfeito, a característica musical mesmo sobre níveis extremos de compressão da célula T4 do opto do LA em modo "limiter" também casou perfeitamente, este sinal por sua vez foi mandado para o AMEK Purepath CIB para a equalização e mais uma dose de compressão. Estava pronto o canal do Marcel. =)
Os outros dois sinais sim foram diretos. SM57, fora de eixo, em torno de 16 cm do falante, mandando para o Avalon VT737 e um Sennheiser MD421 mandando para o Focusrite ISA428 (modo ISA110). Mais tarde, durante o transporte da textura, mudei o posicionamento do MD421, passando a posicioná-lo bem fora do eixo e angulado e usando o modo de baixa impedância. Voilá! 3 opções de texturas com ótima resposta de fase e que acrescentavam diferentes características umas-às-outras. =)

Todos felizes e sorridentes... Hora de sentar o dedo... Literalmente.
E assim começamos...

Forte abraço!
Bring me sound and I'll make you music!







0 comentários: