terça-feira, 2 de junho de 2009

A Cura. Guitarras episódio I.

Auei!
Hoje (segunda-feira) abrimos o estúdio uma vez mais para receber o pessoal da banda A Cura e dar continuidade ao trabalho. Dessa vez era a vez de Maicon Baccelli começar o registro das guitarras, e já sabíamos de antemão que teríamos uma boa quantidade de material à registrar. Logo, após receber Maicon e Andril, fomos direto à montagem do primeiro set dessa etapa. Segundo nosso plano, iríamos trabalhar tema-a-tema, fazendo os ajustes necessários entre cada um. Sabendo o que queríamos, nosso primeiro set foi então montado na sala Maragato... Assumo que eu estava um tanto quanto ansioso em por meu brinquedo novo a trabalhar, e minha ansiedade tinha fundamento...
Após acertar a ambiência da sala, o posicionamento do Serrano Amps Classman 25 EL34 Custom Head (e sua caixa) e a microfonação... Noooossa... Mas antes de continuar vamos à parte técnica.
Optei por uma sala com pouca densidade porém com muita presença e brilho, para o que tinha em mente eu já sabia bem o "ponto doce", tive apenas de elevar o amplificador uns 40cm do chão e lá estava, tudo soando como queríamos. Ficou ridículamente bonito, polido e praticamente pronto. Para o transporte, os clássicos Shure SM57, Sennheiser MD421, ambos na tradicional posição fora de eixo e afastados aproximadamente 15cm da tela, e um terceiro microfone, o da sala, que foi um Shure KSM-44 à aproximadamente 3 metros do amplificador. O SM57 estava sendo mandado ao Avalon VT737sp, o MD421 ao AMEK CIB e o KSM-44 ao Universal Audio LA-610. Para esta sessão ainda utilizamos o rack de efeitos M-One da T.C. Electronics e ainda pudemos contar com 3 guitarras, minhas Tagima 735S, minha Epiphone Les Paul Signature Slash e a Epiphone SG Custom do Maicon. No cabeçote, ao invéz de utilizar duas válvulas 12AX7 na sessão de pré-amplificação, optei pelo uso de uma 12AX7 e uma 12AY7 pois o objetivo desta primeira sessão era o registro de timbres mais limpos (e após as aulas do André alguma coisa eu tinha que aprender né =P). Na seção de potência optamos pelas EL34 às 6L6. Agora sim deixe-me voltar aos três pontinhos após o Noooossa lá em cima.
...Como com os outros amps da Serrano Amps, tirar som do meu foi tão ridículo de fácil que quase não teve graça... Transportar aquele lindo som também foi moleza, tudo estava pronto, mas isso eu já sabia pois é uma característica da estirpe, o que eu ainda não sabia, era como aquele som todo iria "sentar" na mix. Olha, eu poderia tentar emular alguma habilidade "escrevinhatória" pra explicar bonitinho mas sério, acho que "foda!" é uma boa palavra. TODOS dentro do estúdio somente se entreolhavam e sorriam. Maicon gravou, literalmente, rindo, em todas as trilhas e a sessão transcorreu maravilhosamente bem. O som não somente sentava na mix de uma forma inesperada devido ao seu tamanho, como abraçava os demais instrumentos e atravessava a mix quando preciso sem ofuscar ou poluir o espectro. Como eu disse, "foda!".

E eras isso, mais um caminhão de guitarras amanhã!
Forte abraço!
Bring me the brick and I'll make you a phonecall! (Pô, ninguém vai perguntar nada?)















0 comentários: