sábado, 16 de maio de 2009

Testando...

Hehe, é de certa forma estranho ter um dia "livre" no estúdio novamente. Após "matar" os compromissos do dia eu e o Maurício Maciel nos deparamos com algumas horas livres até o fim da noite, puxamos as anotações e retornamos à nossa infinita série de testes... Oo
Certa vez meu amigo Nei Neto usou o seguinte termo ao responder à uma pergunta corriqueira minha: "bah" resume bem.
Vou parafraseá-lo aqui e dizer que o resultado do nosso 1o teste nesta sexta-feira foi "bah" resume bem. Eu havia lido a respeito, ouvido um resultado, mas me pareceu tão irreal que incrédulo anotei para testar quando sobrasse tempo... Mas nunca levei muita fé. Pois é, eu deveria. Credo! A diferença é gritante. O meu velho Shure SM57 nunca reproduziu com tamanha fidelidade nada que eu tenha ouvido ele microfonar até hoje. Minha velha (literalmente) Ludwig Supraphonic nunca soou tão real, tão pronta, tão controlada, tão equilibrada, com a esteira em perfeita sintonia e com tanta personalidade quanto hoje. E o mais legal é que não estou exagerando! Testem e deixem os respectivos queixos caírem.
Bem, as 1as fotos devem descrever bem sobre o que estou escrevendo à respeito, mas para resumir, falo de uma técnica de microfonação de caixa que ao menos até onde eu saiba, é um tanto quanto incomum. Trata-se de microfonar o "casco"/corpo do tambor "ouvindo" o respiro do mesmo.

Bem, quanto ao segundo teste, lembram-se da maluquisse de usar 1 Sennheiser MD421 e microfonar a parede para usar como microfone de ambiência? Pois é, com a gravação de 3 discos prestes à começar, e ainda analisando as possibilidades e diferenças entre as técnicas (algumas mais tradicionais e algumas completamente piradas), fizemos um teste do tipo A/B entre 2 destas. O resultado foi interessante e possibilita muitas outras escolhas. "Tá mas diz aí. Como que a sala soa com os 421?" Se eu tivesse que encontrar um par de adjetivos universais que descrevessem o som (muito cuidado nessa hora, hehe), acho que seriam azul e peludo, oehohehoehoe brincadeira =P... Seriam vintage e controlado. Tente imaginar ouvir uma sala através de uma cápsula dinâmica, é exatamente isso. O posicionamento usado para o teste pode ser visto nas minhas quase frustradas tentativas de fazer fotos panorâmicas.

E era isso!
Abraço!
Bring me sound and I'll make you music!












0 comentários: